homenagem 20 anos maratona berlim

Em 2018, o maratonista brasileiro Ronaldo da Costa irá comemorar os 20 anos da grande conquista da maratona de Berlim ao lado de todos brasileiros, visitando todos estados brasileiros, vamos nessa?

Ronaldo da Costa

Por Victor Costa

No dia 20 de setembro de 1998, o mineiro Ronaldo da Costa surpreendeu o planeta ao vencer a Maratona de Berlim com o tempo de 2h06m05s. Não satisfeito em bater um recorde mundial que já durava dez anos, o mineiro de Descoberto emendou duas estrelas e uma dança logo após cruzar a linha de chegada.

O atual recorde na distância pertence ao queniano Patrick Makau, com 2h03m38s, também registrado em Berlim (2011).

Atualmente, Ronaldo mora em Ceilândia, cidade-satélite de Brasília. A mudança para a capital federal foi feita após proposta do Instituto Joaquim Cruz (IJC) para trabalhar num projeto de descoberta de novos talentos no atletismo.



— Era muito importante ter alguém do nível do Ronaldo, um recordista mundial, em nosso projeto — conta Ricardo Vidal, diretor-executivo do IJC.

— Eu fiz o convite a Ronaldo, mas tinha uma restrição. Ele teria que voltar a estudar, já que o projeto além de esportivo também é educacional. E ele aceitou de cara. O Ronaldo é nota 10, uma pessoa muito positiva.

A primeira grande vitória de Ronaldo nas pistas foi na Corrida de São Silvestre, em 1994, quebrando um jejum de dez anos sem vitória brasileira.

À época, o futuro recordista mundial estava iniciando sua carreira no atletismo. Até então, ele trabalhava como boia-fria nas plantações mineiras.

A meta de Marílson

O vitória na São Silvestre lançou Ronaldo, que ficou sem conquistar uma prova expressiva por quatro anos até bater o recorde mundial em Berlim. O jejum incomodou tanto que o ele desabafou na época contra os críticos que afirmavam que a São Silvestre de 1994 seria o único título de importância em sua carreira.



— O recorde mundial em 1998 foi uma surpresa, mas a vitória brasileira não chegou a surpreender.Nossa equipe era muito boa. A expectativa era que Ronaldo corresse em 2h07m — conta Lauter Nogueira, comentarista de atletismo da TV Globo.

— Nos anos 80, o recorde mundial nos 42km foi quebrado algumas vezes. Depois, existe um espaço de mais de nove anos até o recorde de Ronaldo.



Após 1998, o recorde mundial nos 42km foi quebrado com certa frequência.

Para o técnico Lauter Nogueira, isso não é ao acaso:



— Quando Ronaldo bateu o recorde não existia todo o staff que os corredores da elite possuem hoje. Acredito que se Ronaldo tivesse tido outro corredor puxando seu ritmo, certamente ele teria feito uma marca ainda melhor.

Mesmo nos momentos finais da corrida, ele não sabia que estava correndo para bater o recorde mundial.

 A vitória em Berlim mudou a vida de Ronaldo. Além do prêmio de US$ 28 mil pela vitória, ele levou mais US$ 160 mil pelo recorde.

Ele ganhou status de celebridade, sendo comparado ao outro Ronaldo (o do futebol, que fracassara na Copa do Mundo da França meses antes). No entanto, para muitos, o sucesso foi o principal responsável pela sua queda.